Pinturas

Descrição da pintura de Michelangelo Buanarroti “Crucificação de Cristo”

Descrição da pintura de Michelangelo Buanarroti “Crucificação de Cristo”


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Muitas das obras do gênio foram perdidas. Isso se aplica a suas pinturas, que não sobreviveram à batalha com o tempo. Muitos só podem ser adivinhados a partir das informações escritas de contemporâneos competentes de Michelangelo. Entre essas obras-primas perdidas, estão as pinturas de luto, ressurreição e crucificação de Cristo.

Todos eles foram feitos a pedido de Vittoria Colonna, a amada mestre. O amor por essa mulher tornou as pinturas especialmente vibrantes e sensuais. Eles foram capazes de evocar emoções genuínas, como evidenciado pelas lembranças de Vasari das pinturas que ele viu.

A crucificação de Cristo na autoria de Michelangelo não pode ser chamada de outra interpretação da história bíblica. Ele retratou seu Jesus vivo. O Cristo crucificado com o artista permanece de olhos abertos. Ele os transforma no céu, em seu pai. Voltando o olhar para o céu, Cristo apela para seus pais.

Ele é vivificado pela figura de Cristo e pelo tormento que seu corpo ainda experimenta. Não ficou mole como em outras versões do crucifixo, mas continua lutando contra a dor. Você pode ver a tensão muscular e o sofrimento no rosto, o que nos permite falar com confiança sobre o poder do sofrimento.

A extensão das mãos do Salvador é impressionante: quando chegam na cruz com pregos, não perdem a liberdade. Essa abertura torna a figura fraca e forte ao mesmo tempo: agora não há o que temer, e ele nunca pretendeu esconder nada.

A figura ligeiramente inclinada é obtida a partir de uma cruz oblíqua, mas o claro-escuro da figura disso se torna quase chamativo. Este é um apelo alto para o espectador, que chama toda a atenção para a figura central de Cristo e deixa quase modesta Maria e Jonas ao pé do instrumento de tortura.

A linguagem vaga das linhas aprimora o componente emocional da imagem, que é amplificado a cada opção subsequente. A crucificação não perde sua força religiosa, mas adquire um novo som, tão necessário para o novo tempo e a cosmovisão do Renascimento.





Homem com coruja de águia


Assista o vídeo: MICHELANGELO História da Arte - #04 (Novembro 2022).